segunda-feira, 9 de outubro de 2017

Especial

Depois que você foi embora - talvez não logo depois, mas algum tempo depois -, eu me pus a procurar algo. Como a barra de chocolate - que não adquiri a tempo -, queria que tivesse alguma prova; algum sinal de que você me faz diferença, de que é especial. Pensei em escrever um texto, mas isso parecia um pouco frágil, um pouco forçado talvez. Porque já não tenho a inocência de meus quinze anos, já não tenho a coragem de outrora, ainda que a gana permaneça. Então, busquei um escrito antigo, alguma parte de mim. Como se também fosse necessário provar que eu sou especial, para que pudesse ter vontade de estar comigo. Não que eu não tenha deixado meu interesse claro - talvez não exatamente que tipo de interesse. Como aquelas cenas em filmes, ou em livros, em que a personagem cética, por algum detalhe mínimo, vê o que estava há tanto diante de seus olhos. E deixa seus medos de lado - os atira pela janela -, e junto com o antiherói ganha a chance de sorrir novamente.
Entretanto, eu não me vejo como nenhum dos dois. Queria. Talvez até mais o primeiro, o que consegue desenvolver uma capacidade nova de amar, que não seja a óbvia paixão fulminante. Porque é nesta que sempre me ancorei. Sei tão pouco de você e talvez justamente por isso sinto essa atração. Não que a parte desconhecida seja ruim - pode ser que sim, pode ser que não. Mas é justamente o mistério - encapsulado nesse lindo sorriso - que deixa nesse estado de latência. E também não que isso seja superficial ou desanconselhável. Porque são tão raros os desejos de me entregar, de querer tentar... então pouco importa que venham de um lugar irracional, emotivo, simplório. Porque a combinação de uma atração com uma possibilidade de mutualidade, mesmo que remota, é a esperança que tenho.
O que mais vai me fazer sorrir? Eu passo os dias fazendo planos, tentando construir um caminho infalível e, ao mesmo tempo, lidando com minha incapacidade de fazê-lo. Daí vem minha angústia, o tapa na cara que me diz: você não está no controle. Eu não estou em meu comando, e muito menos estou no seu. Então, eu posso tentar me convencer de que algo que eu fizer irá dar certo, irá despertar em você o que você despertou em mim. Mas estaria me convencendo do mesmo modo que faço com o restante de minha vida. E então eu falho. E sigo tentando.
Sei que não é perfeito. Sei que não irá suceder. E, se suceder, que não irá durar. Mas eu tenho que aprender a aproveitar o presente. Quando você estava aqui, em algum ponto eu me peguei pensando sobre como você poderia estar se sentindo e, por isso, não dei atenção ao que estava sucedendo a mim. Que estava beijando essa rapaz ridiculamente atraente, sentindo a textura de sua pele, o cheiro de seu cabelo. E me dei conta de tudo que estava perdendo. Então eu parei. Parei para prestar atenção em cada detalhe do seu corpo, em seu jeito de falar, de gesticular. Tentando construir uma memória que durasse, que me pudesse fazer sorrir quando você já não estivesse mais.
Agora, que alguns dias já passaram, algumas mensagens já passaram, a memória está seguindo seu curso, se desmanchando. E queria tanto poder fazer outras. Poder pegar esse sentimento ridículo e mesquinho, quase egoísta, e transformá-lo em uma oportunidade de construir amor. Porque senão... Se não?! E se não?
Está tudo bem. Vou guardá-lo em meu coração. Vou confiar naquele garoto de quinze anos que costumava dizer "eu te amo" tantas vezes, até sua alma se encher novamente. Você me a encheu novamente. Me fez senti-lo de novo. Por isso, justamente por isso, você é especial.


terça-feira, 8 de agosto de 2017

Not because I was given a gift
Therefore nor for their generosity
but their strength
their dogged persistence.

That's why I am here today.

I don't think that can be measured
in terms of good or bad
of right or wrong
it just is.

Thus I am not thankful
nor angry
instead I recognize their courage
and their selfishness
a naive ignorance
about what the future holds
and what it does not.

It does not guarantee
I cannot guarantee
by no means
whatsoever.

Because I was not given a gift
but an incredibly generous offer
I stubbornly couldn't refuse.















terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

Rapazes

Rapazes.

Assim estava escrito no pedaço de papel para controle das mesas. Havia também um casal; uma família com duas crianças; senhor de boné. Nós éramos apenas rapazes. 

Estranhei quando li. Não que não pudesse nos definir - ou, ao menos, nos identificar - dessa forma. Poderia. E também não que fosse ruim. Não o era. Era apenas muito pouco. Muito pouco para mim.

De onde vem essa sede; às vezes, me pergunto. As cartas foram dadas e recebi talvez muito mais do que merecia. O que eu merecia? Ou até melhor: o que eu queria? 

Não esse querer esdrúxulo. Esse querer óbvio. É claro que é ele que eu quero. É com ele que tenho sonhado. É ele que tem feito eu voltar a lugares tantas vezes visitados, mas que tiram meu fôlego a cada vez que retorno ali.  

O que eu quero? Um romance de romance, com uma puta trama, cheio de contornos. Nada simples... nada simples. Simples para quê? Eu quero isto: que rapazes que são então rapazes e nada além de rapazes se transformem em amantes. Que se amem. Não um amor dado... assim de supetão. Um amor construído, conquistado, merecido grão a grão. Um amor que transforme carne. Que transforme alma. Que transforme tudo.

Veja... não são rapazes. São tão diferentes. Porque um quer esse amor lapidado, quase arrancado, uma odisseia; enquanto ele próprio derrama um amor tão fácil... de graça... que vem do ar. São dois antagônicos. Não têm nada a ver. Um quer tudo e dá tudo. O outro quer algo e dá algo. Tudo e algo não têm nada a ver.

Eu lembro então das lágrimas que derramou no cinema. Eu lembro então da atenção quando atenção não era devida.  E lembro desse rapaz lindo, tão lindo, que por algum motivo, e talvez por esse motivo, ainda não encontrou amor. E que não me rejeitou. Não me rejeitou. Tinha tudo para fazê-lo. Tinha algo por fazer. Seria compreendido por qualquer um, se assim procedesse. Se não apenas não mergulhasse, mas desprezasse cada centímetro de aproximação.  Mas decidiu que não. 

São dois rapazes na mesa. Eles estão na praia almoçando. Rapazes... isso é tudo que são.






terça-feira, 10 de janeiro de 2017

I thought we were mutating beings that struggle to survive
I came to realise we struggle to cease instead
how much it hurts to be part of something
you are aware of
but about which still not sure
if it really is




segunda-feira, 14 de novembro de 2016

André

André é uma etapa nova
um jeito novo

entrou em minha vida
como nunca ninguém antes
e me fez melhor

mas ele não sabia
não conhecia

era Alexandre quem mudava

o que lhe era muito
foi-lhe pouco
fez-lhe pouco

ele precisa de mais
ele merece mais

André me disse
que pensou em amar de novo
depois de decidir abandoná-lo

Eu lhe disse
que pensei em ser feliz de novo
depois de decidir abandoná-lo

Amor polivalente porém
felicidade também

Não desejava relação de outrora
justo aquela que André queria
provar pela primeira vez

Então André entrou em minha vida
e ficou
mesmo que já não volte mais

porque algumas coisas ainda são
como sempre o foram

Amor polivalente eterno
felicidade de quem?


domingo, 23 de outubro de 2016

Raro

Não há uma palavra. Não há forma de colocá-lo em uma frase. Ainda assim, é o que se pode tentar. É o que se necessita tentar. Eu, ao menos. 

Li a mensagem de que estava na portaria. Eu estava na portaria. Então virei o rosto e vi ali em pé. Me olhou com uma expressão, como se eu fizera algo equivocado, que me comunicara mal. Eu me comunicara mal. Porque ele estava ali em pé, ao lado de alguém que eu conhecera. Tanto tempo fa.

Você me contou antes. Mas não era ele. Você me contou antes. E eu disse que estava tudo bem. Estava tudo bem, menos perder você. Como se o que tínhamos fosse algo raro. Foi raro, até que já não foi mais.

Então não foi o engano que construí nesta noite. Não foi o haver ou não haver. Talvez nem mesmo o imaginar haver ou não haver. Foi o não ser mais raro. Foi ver o laço se dissolver ali, enquanto testemunhava não apenas a dor que traíra, mas a desilusão de achar que seria possível. 

Não é isso, eu sei. Não há uma palavra. Não há forma de colocá-lo em uma frase. Ainda assim, é o que se pode tentar. É o que se necessita tentar. Eu, ao menos. 


quinta-feira, 2 de junho de 2016

ya pasó

ya pasó. le dije lo que debería. y me lo hice tal cual. ya no como solía serlo. y aun así, igual.

igual no lo cambiaría. no hay nada, lo ves...
                                           no hay nada que podría haber hecho. lo mismo.

así que no haya más. me lo olvidé. se me fue todo. se me cayó.

lo tan real que me parecía y ahora.

bueno. ahora ya pasó.